Produtores de mandioca modificam negócios após quedas em Uberaba (MG)

O aumento de concorrência e a retração do mercado levaram produtores de mandioca deUberaba a reduzirem as áreas de cultivo e adotarem alternativas para a comercialização do alimento. A situação mexe com o bolso dos consumidores, pois quanto mais mandioca para revender, mais barato é o preço. Se a área plantada diminui, a oferta cai.

A empresária Eli Foscarini responde por uma indústria que processa a mandioca e vende para Minas Gerais e outros estados. Com queda nas vendas, ela teve que variar as formas de comercialização para manter os lucros.

“Acredito que o consumo diminuiu e isso refletiu nas vendas. Em comparação ao ano passado, foi uma queda de cerca de 15% nas vendas. A gente tinha um único produto para trabalhar, então buscamos outros produtos. Além da mandioca chips, temos a mandioca que já vem cozida e própria para o consumo, a mandioca cozida moída”, disse.

Planejamento é a palavra de ordem na opinião do engenheiro agrônomo José Sidney, que destaca que a produção de Uberaba oscila e deve ser aprimorada através da tecnologia.

“A pessoa tem que se programar e ver o custo de produção, o quanto pode oferecer para saber se aumenta ou não a área, além de trabalhar também as tecnologias. A média de toneladas por Uberaba é de 16 toneladas por hectares, temos espécies que chegam a 70 toneladas por hectares”, explicou.

A estimativa anual de colheita da nova safra encontra no clima uma esperança devido às chuvas previstas para os meses restantes do primeiro semestre.

Fonte: Noticias Agricola | 22/03/2016